O mundo anda cheio de coisas fantásticas. Aqui, quero dividir um pouco do bonito que ando descobrindo em música, produtinhos, maquiagens, comidinhas e demais amenidades que – também elas – são parte de um universo singular em expansão pedindo licença para invadir.


Dias de verão.

12 de janeiro de 2015 por Camila

Para ler ouvindo: https://www.youtube.com/watch?v=JG-vYvCcltM e https://www.youtube.com/watch?v=IW8T-Xhl4Cs

‘Quem nasce aqui, e respira desde a infância um aroma de açúcar, vento, peixe e maresia, sente que o oceano próximo cola em todas as coisas e seres um transparente selo azul.’

(IVO, L.)

Há alguns anos o Verão me chega como uma cura. E me parece bastante interessante observar esse processo porque, sendo eu de Maceió, o verão era o ano inteiro e não havia diferença de estação. Mas, saindo de lá pra correr o mundo, o verão passou a significar férias, retorno, o chão de mim e mais um recomeço. Outra vez mais um recomeço, digo.

Em idos de Dezembro de 2006/2007, eu tinha tomado um pé- na- bunda daquele que parecia ser o maior amor do mundo e fiquei desnorteada. Eu tinha um avião para pegar em alguns dias e desembarcar na alegria indizível e acalorada de Maceió não parecia uma boa idéia para quem queria frio, cama, Friends e comfort food. Mas eu tinha que ir. E, tendo que ir, fui.

No primeiro dia na Cidade Azul, fugi. Baixei as cortinas do quarto, liguei o ar condicionado no modo polar, comprei quilos de jujuba, baixei uma dúzia de filmes e seriados e me neguei ao dia. Disse, na verdade, um ‘não’ bem sonoro ao mundo.

Depois, a luz foi me vencendo pelo cansaço porque estar triste já me consumia demais e aquela ansiedade não parecia boa coisa. Eu decidi que era tempo de secar as lágrimas e molhar o biquíni. Saí pra comprar roupas leves de verão e me permiti ir à praia das 9h às 17h com uma nova turma de amigos e alguns velhos conhecidos. A água do mar foi cicatrizando a ferida que já era uma flor aberta e o sorriso insistiu em ficar. Fiz coisas que nunca tinha experimentado antes e virei turista na minha Terra Natal. E foi bonito. E, por causa disso, todo Dezembro passou a trazer consigo expectativas e novos dias de verão (e, por favor, entenda que quando eu falo ‘dias de verão’, eu englobo tudo que a expressão cabe. E é muita coisa, é quase tudo). Era o tempo de deixar os olhos descansando nos horizontes da minha Alagoas.

São dias azuis de banho de mar quentinho, de lagoas perdidas, de pôr-do-sol, de novas pessoas, de possibilidades, de cervejinha sem culpa num bar qualquer até a madrugada acontecer, de abraços apertados, de promessas de ‘ano que vem a gente se vê no mesmo lugar’ (sim, porque as pessoas de Maceió se vão e sempre voltam no nosso verão!), de comer com os pés na areia, de achar que se pode num mesmo dia viajar do Litoral Norte até o Litoral Sul, de abrigo, de amor, de calor insuportável, de encher o cabelo de coques e flores, de andar de chinelo e só chinelo, de relevar a bobagem qualquer, de gosto de sol nos lábios, de rir de tonterias, de ter certeza de onde se é e pra onde sempre se retorna, de sair sozinha e encontrar o mundo inteiro no espaço de uma esquina, da comida mais gostosa do mundo, de adiar a passagem e protelar a volta à vida real até Março, de se vestir de brisa, de se saber uma garota de muita sorte por ter motivos pra sentir tanta saudade, de sarais sem hora pra terminar, da leveza do violão, da delícia que verdadeiramente é escutar as ondas quebrando e as palhas do coqueiro dançando na varanda de casa, de não se perder na cidade, de encontrar mais cantinhos especiais a cada volta, da nostalgia e das sutilezas nas conversas dos verões passados nas reuniões do presente, da água de coco geladinha na fruta, do carinho maior e, finalmente, de poder descobrir a cada ano mais um motivo pra ser feliz.

Maceió é meu encontro.

Obrigada, meu pedaço de chão, por ser meu lugar nesse mundo que eu insisto em devorar.

É isso que eu recomendo: Vamos nos permitir viver mais dias de verão o ano inteiro. E, se puder, vá a Maceió e volte você também com seu selo azul.

Maceió1
‘…Não há quem não morra de amores pelo meu lugar.’ <3
Eus
‘…I’m picking up good vibrations.’ ;)
Maceió2
‘…Você me deu liberdade pra meu destino escolher, e quando sentir saudades, poder chorar por você.’ <3
Nós
Tem blues na praia e amizades de muitas vidas. Somos inteiros coração, sem essa de anatomia…
É isso. É só isso.
É isso. É só isso.

2 comentários